NOTÍCIAS
Notícias da Igreja
 
07.Jun - Número de assassinatos no campo é o maior desde 2003, informa Comissão Pastoral da Terra
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -

A Comissão Pastoral da Terra (CPT), organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), lançou na segunda-feira, 04, na sede da entidade, em Brasília (DF), a 33ª edição do relatório anual de Conflitos no Campo Brasil 2017. A publicação reúne dados sobre os conflitos e violências sofridas pelos trabalhadores do campo brasileiro, neles inclusos indígenas, quilombolas e demais povos tradicionais.


“Esse lançamento é uma tentativa de nós como Igreja estarmos atentos as questões dos conflitos. Quantas pessoas tem morrido e quantas pessoas tem perdido as suas terras?”, chamou atenção o bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, na abertura da cerimônia. Segundo o bispo o momento é propício para unir as forças e ideais em prol de um país mais “fraterno e justo, especialmente no campo”.


Na sequência, o membro fundador da CPT, Antônio Canuto, destacou que a edição de 2017 traz de modo “assustador” os números da violência. Apresentando os dados em um telão, Canuto disse que 71 assassinatos foi o maior número registrado desde 2003, quando se computaram 73 vítimas. “É 16,4% maior que em 2016, quando houve o registro de 61 assassinatos, praticamente o dobro de 2014, que registrou 36 vítimas”, apontou.


Mas não foi só o número de assassinatos que cresceu. Ainda segundo a apresentação de Canuto é possível identificar que o lado mais “macabro” de 2017 foram os massacres. Do total de mortos, 31 pessoas morreram em cinco massacres pelo país. Em destaque as cidades de Colniza, no Mato Grosso e Pau D’Arco, no Pará.


O professor da Universidade Federal Fluminense (UFF), Carlos Walter, um dos assessores do relatório, também colocou em evidência o que os números escondem.  Analisando o período de 2015 a 2017, que ele caracteriza como de “ruptura política” e comparando-os com outros anteriores, o professor afirmou que fica evidente o aumento exponencial da violência neste período. Os dados mostram, por exemplo, que a média anual de assassinatos saltou para 60,6.


Outras ocorrências


Além dos conflitos por terra, outro dado preocupante levantado pela CPT é o relativo aos conflitos por água, como citado pela líder do acampamento. Em 2017 foram registrados 197 conflitos. O número mais elevado desde quando o organismo começou a registrar em separado estes conflitos. 172 foi o número de 2016. Um crescimento de 14,5%. “No período da ruptura política tivemos um aumento de 130%, afirmou o professor Carlos Walter. Também participaram da cerimônia de lançamento o atual presidente da CPT, dom André de Witte, a subprocuradora-geral da República, Deborah Duprat, entre outros convidados.


 


Confira os registros de massacres no campo.


Fonte: CNBB

Indique a um amigo
 
 
  • Rua Jaguaruna, 147 - Centro - Joinville/SC

  • 47 3451-3700

  • midiasocial@diocesejoinville.com.br

  • Acessar o Webmail

  • Copyright © 2019 Diocese de Joinville. Todos os direitos reservados.