PARÓQUIAS
Paróquia São Vendelino | Schroeder
 
A Paróquia
Paróquia São Vendelino | Schroeder

Localizada na cidade de Schroeder/SC a Paróquia São Vendelino possui mais de cem anos história. Tudo começou em 1924, quando as famílias católicas alemãs tinham o desejo de fundar uma igreja na região. Após muitas propostas, houve uma primeira reunião em janeiro do mesmo ano. Quem doou o terreno da igreja foi a família Valentin Zoz, e em maio de 1924, foi feita a colocação da pedra fundamental, porém sua construção só teve inicio em 1925, por conta da dificuldade na fabricação dos tijolos. Ao todo, 19 famílias contribuíram para a construção da comunidade.
Em maio de 1925 foi realizada a primeira festa da igreja de Schroeder. E no final de setembro do mesmo ano a comunidade havia ficado com sua estrutura física pronta. Com o passar do tempo foram colocadas as janelas e organizado o altar. No dia 11 de setembro de 1925 foi celebrada uma missa em consagração da igreja. Apenas em 1928 a igreja recebeu os bancos, assim como sua torre e sua obra teve término no ano de 1929. A Paróquia São Vendelino foi elevada a esse título em 1993 e hoje conta com seis comunidades.
Pastorais e movimentos
Hoje a paróquia conta mais de 15 pastorais e movimentos. Entre elas estão: Pastoral da Sobriedade, Liturgia, Catequese, ECC, Cursilho, Juventude, Pastoral do Dízimo, GBR, Emaús, CPP. O destaque da paróquia está entre os coroinhas, que sempre estão presentes nas missas da paróquia e das comunidades. Segundo Maria de Lurdes Tomelin, todos eles sempre organizam muito bem a missa, juntamente com os acólitos. “Todos querem servir desde pequenos”, diz. Além disso, a catequese para o batismo também é forte, o curso já existe há anos e possui oito horas de duração.
Festa de São Cristóvão
O padroeiro da paróquia é São Vendelino, porém os fiéis da região também têm grande devoção por outro santo: São Cristóvão, padroeiro dos caminhoneiros. A festa sempre ocorre em julho e tem duração de três a quatro dias. Além disso, missas são realizadas em postos de gasolina da região.

 
O Padroeiro
O Padroeiro

A vida e a história do São Vendelino

Nosso amado São Vendelino começou sua vida no ano de nosso Senhor, 554 em uma cidade na Escócia. Seu pai, Forchado, era o rei da Escócia e sua mãe, Irelina, a Rainha. Seus pais, querendo que Vendelino fosse treinado nas virtudes da piedade e bons costumes, voltou-se para o bispo de sua diocese para orientação. O Bispo amigável deve ter ido além dos desejos dos pais de Vendelino, porque não só se tornou devoto e humilde, mas decidiu que o estilo de vida de ser parte da família real não era para ele. Ele queria nada mais do que levar uma vida simples e humilde e dedicado à vida a Deus. Então, certa noite, quando todos estavam dormindo no castelo, Vendelino vestiu o traje de um simples peregrino, renunciou para sempre à sua legítima herança, o reino da Escócia, e sumiu, para nunca mais voltar.

Vendelino começou uma busca de todos os lugares santos que ele poderia encontrar, procurando o lugar ideal onde poderia levar uma vida simples. Em 574, ele entrou na cidade de Roma, onde chegou por causa do grande número de igrejas, santuários e povo santo. Antes de deixar Roma, foi concedida a Vendelino uma audiência com o Papa Bento I. Vendelino abriu seu coração ao Vigário de Cristo e pediu-lhe aconselhamento. O Papa elogiou seu modo de vida, concedeu a bênção apostólica sobre ele, e lhe disse que ele deveria continuar odiando as coisas mundanas e resolutamente servir a Deus para o resto de sua vida.

Ao deixar Roma, arriscou-se até a Alemanha, sempre disfarçado de peregrino e mendigo, ainda em busca da sua utopia. A cidade de Einsideln era seu ponto de parada por algum tempo. Foi aí que ele decidiu dedicar o resto de sua vida a Maria, Santa Mãe de Deus. Sua constante busca de um local adequado onde pudesse conduzir a sua vida de eremita levou-lhe a um deserto enorme chamado Westerich. Fez-se uma cabana de galhos de árvores e uma cama de juncos e folhas. Neste ambiente, ele começou a levar uma vida muito intensa e penitencial. Só Deus sabe quantos anos ele passou nestes ermos e em que medida ele sofreu.

Após um período de tempo, Vendelino começou a ficar à vontade para ir para a antiga cidade de Trier, a fim de orar em muitos santuários. Foi aqui que uma história fascinante se desenvolveu. Conta-se que um dia, enquanto estava em vagando de santuário para santuário, ele conheceu um nobre que era muito mundano e um ladrão. Este homem extremamente rico e ateu admoestou Vendelino porque ele estava implorando por comida. O nobre disse: Você é um homem ainda jovem. Você pode ganhar a sua própria comida. Se você não for contratado por qualquer pessoa, em seguida, venha e tome conta do meu gado e ganhe o seu pão. Vendelino sentiu que ao assumir este trabalho e ser pago por isso, ele iria aprender a rejeitar ainda mais as coisas mundanas. Então, ele aceitou o cargo e foi colocado para trabalhar cuidando de uma manada de porcos. Estas criaturas inquietas não lhe deram descanso de um minuto e, assim, ficou sem tempo para suas orações. Então, ele implorou a seu mestre para aliviá-lo dessa tarefa. O patrão, apesar de todas as suas más qualidades, respeitou as virtudes de piedade e simplicidade de Vendelino e concedeu seu desejo. Ele colocou Vendelino para trabalhar cuidando de uma manada de vacas em vez dos suínos. Vendelino podia agora dedicar mais tempo a suas devoções e cuidou do rebanho de vacas por uma quantidade considerável de tempo. Uma ironia da história é que Deus tinha abençoado tanto este rebanho por causa de orações e devoções de Vendelino, que o rebanho se tornou tão produtivo e Vendelino novamente encontrou-se sem tempo para a oração. (Este rebanho particular cresceu duas vezes mais rápido que todos os outros rebanhos do nobre.) Então, mais uma vez, Vendelino implorou a seu mestre para alívio. Era costume, naqueles dias, apenas os pastores idosos cuidarem das ovelhas. Mesmo sendo Vendelino ainda jovem, teve um rebanho de ovelhas sob a sua assistência e confiança. Vendelino, mais uma vez encontrou-se com o tempo suficiente para seu grande amor, a oração.

Vendelino não deixava o rebanho de ovelhas no seu próprio pasto, mas muitas vezes o levou muito longe para pastagens mais verdes. Além disso, ele queria ser afastado de qualquer outro pastor para que ele pudesse se concentrar totalmente nas suas orações. Mas não importa o quão longe ele levou o rebanho, Deus sempre garatiu que estivesse em casa na hora certa.

Deus concedeu graças especiais para o rebanho com o pastoreio de Vendelino, preservando-os de todas as doenças, tornando-o duplamente proveitoso. Essas bênçãos, no entanto, causaram ciúmes entre os outros pastores e, portanto, através deles, Satanás tentava lhe prejudicar. Eles zombaram dele e disseram ao mestre muitas mentiras sobre ele. Mas Vendelino percebeu que o diabo estava por trás de todo este mal e que serviu para tornar mais forte a sua fé e a sua oração mais fervorosa.

Quando Vendelino estava no campo com seu rebanho, sempre sentiu um grande desejo de estar de volta em seu eremitério desejado a fim de adorar e venerar o seu querido Jesus. Ele imagina que a colina sobre a qual repousava a sua casinha era o Monte das Oliveiras, e assim ele iria meditar sobre a agonia que Jesus passou naquela primeira Sexta-Feira Santa. Deus mostrou que estava muito contente com a devoção de Vendelino trabalhando por um milagre da transmigração, com o deslocamento de todo o rebanho e Vendelino pelo ar da pastagem para a ermida de volta. Este milagre aconteceu muito frequentemente e apesar de nenhum dos outros pastores nunca terem visto ocorrer, houve muitos casos que causaram confusão.

Uma vez, Vendelino descobriu que seu rebanho estava em um lugar onde não havia água. Seu rebanho estava com sede e muito cansado de percorrer qualquer distância. Portanto, Vendelino orou a Deus pedindo orientação e, em seguida, com grande confiança, impulsionou seu cajado de pastor na terra e uma fonte de água fresca brotou. Esta fonte foi posteriormente encerrada em pedra e ainda pode ser vista não muito longe da cidade de Saint Wendel, na Alemanha. Todo ano na Segunda-feira da Intercessão, uma procissão sai da cidade para a fonte e o pastor abençoa a água que é utilizada diariamente pelas pessoas para evitar doenças em homens e animais. Ao lado deste poço há uma pequena capela e uma ermida. Este é o local onde Vendelino impulsionou seu cajado no chão e brotou água. O cajado de pastor ficou lá enterrado, ganhou vida, começou a crescer e tornou-se uma árvore de vidoeiro. Esta árvore estava lá há muitos anos e foi chamada “Árvore de São Vendelino”. Ela caiu há poucos anos.

Este é um dos incidentes de destaque na vida de Vendelino: O mestre de Vendelino e seu servo viajaram para a cidade de Estrasburgo a negócios. Ao retornar, ele passou pelo deserto onde Vendelino tinha levado suas ovelhas para pastar. Quando eles ainda estavam a certa distância do rebanho, o mestre disse a seu servo, que parecia com o nosso pastor Vendelino ou, então, era realmente ele.

O servo respondeu: Como poderia o nosso Vendelino vir aqui? É muito longe da nossa casa, em Trier. Indo até o pastor, o nobre encontrou Vendelino. O patrão ficou furioso e amaldiçoou a Vendelino e disse, entre outras coisas, Vendelino, é canalha. Você é um tolo ou um louco, por que você traz as minhas ovelhas tão longe de casa? Não há pasto suficiente perto de Trier que você precisa vir a este deserto terrível?

Vendelino respondeu: "Caro senhor, não se zangue. Julgo que esta pastagem é melhor para o rebanho que perto de Trier."

"Não devo estar com raiva?" perguntou o nobre. "Eu tenho muitos convidados para o jantar e queria matar uma ovelha para esta ocasião especial."

Vendelino respondeu: "Não te ires por causa disso que eu quero estar em casa a tempo."

"Como você pode estar em casa antes da noite, quando eu mal consigo chegar em casa a tempo montando um cavalo?" O mestre então abruptamente galopou murmurando e queixando-se por todo o caminho sobre Vendelino. Quando o senhor entrou em seu pátio, ele ficou surpreso ao ver que Vendelino já estava lá e foi colocar as ovelhas para o estábulo para a noite. Ele mal podia acreditar no que acabara de ver com seus próprios olhos. Ele sabia que este era um grande milagre e percebeu que Vendelino era realmente um homem santo para ser reverenciado. O senhor caiu de joelhos e cheio de humildade e contrição implorou: "Perdoe-me, caro Vendelino pelas palavras de acusação que disse contra você. Diga-me quem você realmente é. Vejo que você é um homem santo e que Deus opera grandes milagres através de você. "

Com isso, Vendelino se atirou aos pés do seu mestre e disse humildemente: "Eu lhe imploro mestre, fique de pé e não me honre, pois eu não sou um homem santo, mas um ser infeliz e um simples pastor e servo pastor".

Seu patrão se levantou e disse: "Isso eu não posso acreditar, mas eu levo você para ser um grande servo de Deus. Seja você quem for, não vou mais permitir que você pastoreie o meu rebanho. Porque eu receio que Deus punirá se eu deixar que o Seu servo fiel cuide de meu rebanho. Diga-me o que você quer de mim e vou cumprir todos os seus desejos. "

Vendelino respondeu: "Isso só posso pedir-lhe mestre, que você mude a sua vida sem Deus em uma vida piedosa, para que a ira de Deus não venha sobre vós de improviso e lançe você e seus ladrões para as profundezas do inferno." Vendelino tinha muito a dizer a este nobre e falou com tanta força que esse homem pecador ficou muito assustado e chorou por seus pecados e prometeu mudar a sua vida. O patrão quis dar a Vendelino grandes somas de dinheiro sob a forma de esmolas, mas Vendelino se recusou a aceitar qualquer dinheiro, exceto o que foi devido a ele como salário. Estes salários ele distribuiu entre os pobres e, em seguida, em situação de pobreza absoluta, ele seguiu seu caminho para o deserto.

Em 590, Vendelino foi para o Mosteiro Beneditino de Trier, apenas duas horas de distância de sua ermida, e recebeu o hábito de eremita e depois voltou para seu amado eremitério e começou a viver uma vida extraordinariamente austera. Sua comida era ervas selvagens, sua bebida era água fria, sua cama era o chão duro. Ele rezou profundamente na noite e caminhou no frio e calor para Tholey, uma viagem dura de duas horas, para serviços diários. O diabo tentou Vendelino furiosamente para desistir desta vida santa e voltar ao reino da Escócia. Ele sussurrou-lhe que o rei, seu pai, estava desolado e sua mãe estava inconsolável desde que Vendelino havia partido secretamente. Eles estavam procurando por ele desesperadamente e certamente morreriam de tristeza. Vendelino sentia fortemente a dor dessa tentação. Ele usou a oração como uma arma contra Satanás e perseverou com a ajuda de Deus. Satanás não desapareceu após esta derrota, mas encheu a mente Vendelino com pensamentos impuros que o santo homem não teve outro meio para superar esses maus pensamentos que se jogar em um espinheiro, girando ao redor até que seu corpo estivesse em uma enorme hemorragia.

Certa vez, o diabo apareceu a Vendelino como um dragão, pronto para devorá-lo. Ele estava tão assustado que pensou que já estava na boca do dragão. Ele orou com tanta força e fez o sinal da cruz e, eventualmente, o diabo fugiu.

Deus Todo-Poderoso quis fazer seu humilde servo Vendelino conhecido no mundo e, assim, lhe deu o poder de fazer milagres. A doença contagiosa foi se espalhando entre os animais de uma aldeia próxima, e os moradores pediram a Vendelino para deixar seu eremitério e ir com eles para orar por seu gado e rebanhos. Não sendo capaz de suportar as alegações destes camponeses pobres, Vendelino foi com eles e rezou pelos animais doentes e, ao abençoá-los, todos eles sararam imediatamente. Através deste milagre, o seu nome se tornou conhecido em toda a região de Westerich e todos vieram em busca de sua ajuda e orientação.

O abade do mosteiro de Tholey morreu por esse tempo e os monges não poderiam concordar com a eleição de outro Abade. Eles invocaram fervorosamente o Espírito Santo para a orientação e conselho. Em seguida, eles ouviram uma voz celestial chamando, Vendelino para o seu Abade. Após este sinal sagrado, eles foram todos para a ermida nomear Vendelino como seu novo Abade e imploram de joelhos para ser seu pai e superior. O homem humilde se recusou a aceitar esta honra e a carga, dizendo que ele era bastante inadequado para essa posição e que o cajado do pastor se encaixa as mãos melhor do que a mitra. Os monges disseram Vendelino que Deus tinha manifestado sua vontade a eles em sua escolha e se ele fosse um verdadeiro servo de Deus ele não iria resistir Santo de Deus. Ao ouvir isso, Vendelino obedeceu a Deus pela humildade de aceitar este cargo e enviou uma carta ao arcebispo de Trier, Severino, pedindo-lhe para confirmar a eleição. Severino tinha ouvido muitos relatos interessantes sobre Vendelino eo Papa também recomendou Vendelino para ele. Assim, o Arcebispo felizmente veio a Tholey para consagrá-lo como o abade do mosteiro. Estes dois santos se tornaram amigos muito próximos, e assim permaneceu até o fim de suas vidas. (É certo que Vendelino, o grande servo de Deus, governando o seu mosteiro num espírito santo, embora não haja nada escrito sobre a sua decisão ou a sua vida de clausura. Ou os monges humildes não escreveram sobre isso, ou os escritos foram destruídos quando o mosteiro foi posteriormente saqueado.)

No ano 617, Vendelino ficou muito doente e sabia que a morte estava próxima. Ele mandou uma mensagem ao arcebispo Severino, que veio de uma vez para ajudá-lo e estar com ele na sua hora de necessidade. Ele administrou os últimos sacramentos a seu amigo morrer. Neste momento, Vendelino revelou seu segredo a Severino: que ele era o Príncipe da Coroa da Escócia, que havia deixado seu país para o amor de Deus e para servir o seu Deus em humildade e pobreza, por meio da penitência e da oração. Após a morte de Vendelino, Severino disse aos monges, Você sabe o nobre prelado que você tinha para o seu abade? Eles ficaram tão impressionados com esta revelação que eles se ajoelharam diante do corpo de Vendelino e beijou suas mãos e pés. (É mais provável que o arcebispo ficou para o funeral.) Vendelino foi sepultado no mosteiro antes do altar-mor.

No dia seguinte após o enterro de Vendelino, foi extremamente assustador para os monges quando eles entraram na igreja e encontraram o caixão em pé em cima do altar. Enterraram-no mais uma vez com extrema reverência! Eles encontraram desintumbado novamente no dia seguinte. Quando isso aconteceu pela terceira vez, eles perceberam que Vendelino não queria ser enterrado aqui. Eles colocaram o caixão sobre uma carroça que estava a ser puxada por dois bois jovens que nunca antes tinham sido domados. Eles permitiram que os bois fossem sem qualquer orientação. Os monges seguiram em procissão. Os bois foram direto para a ermida que Vendelino tanto amava. Aqui eles pararam e ninguem conseguia fazê-los mover-se. Por isso os monges sentiram que aquele era para ser o lugar de descanso que o seu reverencdiado abade havia escolhido para si. Enterraram-no aqui e este se tornou o local de muitos milagres. O corpo de Vendelino mais tarde foi retirado de sua sepultura e elevado acima da terra em uma cova de pedra. Ao lado da pedra são lavradas as imagens dos doze apóstolos e outras belas guirlandas e ainda pode ser visto hoje. Muitos peregrinos faziam oferendas para embelezar este eremitério e, portanto, foi construída uma capela de pedra com dois altares. O túmulo de São Vendelino agora é encontrado no meio da capela rodeada por um portão de ferro.

Nesta capela as pessoas puderiam ouvir missa e acharam que fosse um lugar mais apropriado para praticar sua devoção so santo. Os peregrinos vinham em grupos. Muitos milagres aconteceram e muitas ofertas foram feitas. As casas foram construídas e, finalmente, uma aldeia surgiu para que os peregrinos pudessem encontrar quartos para a noite e os doentes podem ser atendidos por profissionais. Deve ser dito aqui que Dom Severino enviou um delegado para a Escócia para dizer ao rei reinante, irmão de Vendelino, de tudo o que tinha acontecido.

A notícia se espalhou através da Escócia e os escoceses conheceram a vida de Vendelino, assim, muitos viajavam para visitar o túmulo de seu herói recém-descoberto. Eles fizeram muitas oferendas e pediram a sua bênção sobre seu país e sobre si próprios.

 

Horários

MISSA
 
ATENDIMENTO
 

Contato

(47) 3374-1411
 
 
 
 
  • Rua Jaguaruna, 147 - Centro - Joinville/SC

  • 47 3451-3700

  • midiasocial@diocesejoinville.com.br

  • Acessar o Webmail

  • Copyright © 2018 Diocese de Joinville. Todos os direitos reservados.